Sobre

A Biblioteca Rui Tendinha, do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), é uma biblioteca estadual especializada em agricultura e seu acervo é composto pelas publicações produzidas pelo Instituto e pelas instituições que já compuseram o sistema agrícola capixaba na área de pesquisa e Ater, como a Associação de Crédito e Assistência Rural do Espírito Santo (Acares), Empresa Capixaba de Pesquisa Agropecuária (Emcapa), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Espírito Santo (Emater-ES), Empresa Espírito-Santense de Pecuária (Emespe) e Empresa Capixaba de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emcaper). Ela também possui obras gerais, periódicos e material audiovisual.

Histórico

A preocupação com a disseminação da informação sempre esteve presente no Incaper. Na década de 1960, a Acares possuía um setor de Divisão de Informação, responsável por elaborar, produzir e distribuir todo o material impresso requisitado pelas unidades locais dessa instituição, que possuíam um pequeno acervo. Para manter os profissionais atualizados, os funcionários da Acares tinham como atribuição solicitar a compra de bibliografia técnica e materiais técnicos referente à sua especialidade.

A palavra Biblioteca é encontrada nos arquivos da Acares em 1972, mas ganha força em 1975 na Emater-ES, instituição que iniciou a estruturação da sua biblioteca com foco na assistência técnica e extensão rural. No final da década de 1970, a biblioteca da Emcapa foi priorizada com recursos do BIRD e Embrapa, com a construção em Tucum, Cariacica-ES, de um prédio exclusivo de aproximadamente 500m2 e aquisição de livros e periódicos das diferentes áreas do conhecimento relacionado às ciências agrárias. Nesse período, a biblioteca contava com três bibliotecárias. Mais tarde, a Biblioteca da Emater-ES recebeu o acervo das outras instituições que vieram a ser incorporadas por essa empresa.

No final da década de 1980, a Emcapa possuía a Coordenação de Difusão e Documentação, dividida em três áreas: Área de Informação Meteorológica, Área de Difusão de Tecnologia e a Área de Informação e Documentação, na qual ficava a Biblioteca. Entre 1984 e 1985, com a política pública de descentralização da sede da Emcapa, houve também a descentralização desse setor em quatro bibliotecas, sendo uma na Sede (Vitória), uma no Centro Serrano (Domingos Martins), em Linhares e em Pacotuba (Cachoeiro de Itapemirim).

Com a incorporação da Emcapa pela Emater-ES no ano de 1999, os acervos foram unificados na sede (Vitória) da nova instituição, a Emcaper. Nesse mesmo período, cogitou-se o fim da biblioteca. Porém, o então Coordenador de Difusão e Transferência de Tecnologia, Rui Fernando Frota Tendinha de Pimentel Teixeira, o Rui Tendinha, não permitiu, atuando em defesa da permanência da Biblioteca.

Quando a Instituição tornou-se uma autarquia, em 2000, foi criada a Área de Documentação e Informação, vinculada ao Departamento de Comunicação e Marketing (DCM), que compreende a biblioteca, atividades de comercialização de publicações e disseminação da informação.

Em 2018 com a aprovação de um novo organograma, a Biblioteca Rui Tendinha deixou de ser da Área de Documentação e Informação e passou para a Gerência de Transferência de Tecnologia e Conhecimento, concedendo novamente a Biblioteca Rui Tendinha a função de ligação entre as unidades do interior do Espírito Santo através de um sistema.

Rui Tendinha: o patrono da Biblioteca

Rui Tendinha

Em 2013, a partir de um concurso interno realizado entre os servidores do Incaper, a biblioteca recebeu o nome de Biblioteca “Rui Tendinha”, em homenagem a esse servidor, falecido em dezembro de 2000.

O angolano Rui Tendinha foi Coordenador da Difusão de Tecnologias da Emcapa, tendo contribuído significativamente para a estruturação da Biblioteca Central, na Sede, bem como das setoriais que ficavam nas Estações Experimentais, hoje Centros Regionais de Desenvolvimento Rural. Nesse período, a Instituição chegou a ter três bibliotecárias e auxiliares de biblioteconomia para o apoio às profissionais e foi reconhecida pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) como a melhor e mais bem equipada biblioteca em agropecuária do Estado.

Na fusão das empresas e já sem as bibliotecárias, o Rui Tendinha, com o apoio de outros profissionais, lutou para que a biblioteca não fosse extinta e que o acervo de publicações não fosse colocado em “arquivo morto”, onde certamente seria perdido para sempre. Rui Tendinha acreditava que um dia o Incaper voltaria a ter uma biblioteca com qualidade para prestar serviços não só para os servidores do Instituto, mas também para a sociedade e principalmente para os jovens.